it-Sagração da Capela São Padre       Pio e Santa Tereza D'avilla 

06.06.2017

Sagração da Capela  


Sua Excelência Reverendíssima Dom Eduardo, Reverendíssimo Diretor Espiritual Frei Alonso Malaquias, Reverendíssima Irmã Priora do Sodalício de Sapopemba: Jacira Rocha, Amados Irmãos Terceiros e demais convidados, Hoje é um dia muito especial para os Carmelitas desta Venerável Ordem Terceira: primeiramente por ser o último dia do mês de Maio, este consagrado à Mãe de Deus e Nossa Mãe: Maria Santíssima. A ela todo nosso amor e devoção por ter sido o ser humano mais perfeito que já existiu, simplesmente por fazer inteiramente à vontade do Pai, sem titubear, sem reclamar, simplesmente por Amor. A Vós Nossa Rainha toda honra e glória eternamente na Terra e no Céu! E depois por ser o dia da sagração da Capela dedicada a dois santos incríveis: São Pio de Pietrelcina e a Santa Teresa D'Ávila. Gostaria nesta oportunidade de agradecer nosso Bispo, Pastor e Pai, Dom Eduardo, que prontamente atendeu nosso pedido. A vossa Excelência Reverendíssima, desejamos que o senhor seja cada dia mais santo e tenha muita força para cumprir a missão que nosso Deus vos conferiu. Gostaria também de agradecer nosso padre Diretor, Reverendíssimo Frei Alonso. Obrigada por estar conosco sempre; obrigada pois graças aos seus conselhos esta ordem cresce no amor a Deus e, principalmente, cresce na aceitação das Cruzes diárias. Obrigada Frei. Por último gostaria de agradecer a Mesa Administrativa deste Sodalício e a todos irmãos terceiros e funcionários que às duras penas nos ajudam nesta missão da construção do Reino de Deus já aqui na Terra. Irmãos, nesta oportunidade se faz necessário explicar o porque desta capela, já que anteriormente havia neste recinto uma sala de visitas onde ocorria a reunião da mesa diretora para o café. Na verdade, estamos em uma Ordem Carmelita cuja a prerrogativa é a santidade obtida através da oração e da frequência aos sacramentos, principalmente a Eucaristia. A regra Carmelitana das Ordens Terceiras nos diz que devemos nos voltar a liturgia, palavra que em Grego significa: raízes, ou seja: nos voltarmos inteiramente ao Senhor, inteiramente a Deus. E como um Carmelita se volta a Deus? Basicamente pelo encontro intimo com seu amado na oração e nos Sacramentos. A proposta desta Capela, irmãos, é que aqui possamos nos encontrar intimamente com Nosso Deus escondido nas espécies Eucarísticas. Sim, Ele está aqui substancialmente e realmente presente no Sacrário esperando a cada um de nós para este encontro íntimo, solitário e profundo. Necessário ainda explicar o porque de dedicarmos a capela a Padre Pio, um santo capuchinho o que aparentemente nos causa estranheza por estarmos em recinto Carmelita, em conjunto a Santa Teresa D`Ávila, dentre tantos outros santos Carmelitas. Bom, iniciarei explicando o porque da escolha de Santa Teresa. Mulher de personalidade forte, determinada, destemida, humilde, amorosa, convicta a não decepcionar seu esposo: (Sua Majestade, como se referia ao Senhor,) possuidora de experiências místicas incrivelmente descritas por ela em diversas obras, cumprindo a obrigação mais custosa para ela, mas que sabia que também era a mais importante de um religioso: a obediência. Mulher de oração, de íntima comunhão com Deus, que fazia morada em sua alma, muitas vezes incompreendida pelas suas próprias irmãs de Ordem, que queriam continuar a viver fazendo as suas próprias vontades e não a vontade de Deus. Tudo enfrentou, a rejeição, a incompreensão e a dor... Ela não fez disso um muro de lamentações mas sim sua parte na Edificação do Reino de Deus e, em um momento difícil de sua caminhada, proferiu versos que se transformaram um lindo poema: "Nada te perturbe, Nada te assuste, Tudo Passa, A paciência tudo alcança; A quem tem Deus nada falta, só Deus basta." A Vós Santa Teresa, reformadora do Carmelo: o nosso amor e nossa dedicação, que possamos viver nesta capela encontros íntimos com Sua Majestade como fez vossa prioreza! Já a segunda dedicação é feita a São Pio de Pietrelcina, sacerdote, estigmatizado, um dos maiores místicos do Século XIX, voltado a oração de maneira peculiar, o que não era nenhuma novidade entre estes grandes santos, ao ponto de rezar em média 15 rosários diariamente, além dedicar horas a fio a meditação da Paixão de NSJC, ele dizia : "La preghiera è la chiave che apre il cuore di Dio" . "A oração é a chave que abre o coração de Deus". Extremamente acostumado `a dor que o unia as dores de Nosso Senhor Jesus Cristo , sofreu assim como Santa Teresa a Transverberarão; fenômeno místico no qual a alma é selada em vida pela experiência do amor divino através de uma espada de fogo que transpassa o coração do santo, quase que uma união perfeita em Deus. Padre Pio, que não nos ouçam nossos irmãos Franciscanos, era quase um Carmelita, venerava "La Madonna" como chamava Virgem Maria com um amor filial, tinha como combustível a oração, o encontro íntimo com Deus e por fim amava a Santa Missa e os sacramentos, passava 12 horas ou mais no confessionário para salvar as almas. Peço a São Pio que rogue por esta ordem e cumpra conosco o seu desejo explicitado um dia a uma de suas filhas espirituais "Se eu pudesse não entraria no céu até que o último dos meus filhos lá estivessem!" Padre Pio, esta ordem a mim confiada está diretamente e intimamente ligada ao senhor como uma filha a um pai. Peço que cuide de nossos membros e em especial de nossos sacerdotes, nos esperando na porta do paraíso até que o último membro lá adentre. Santa Tereza D'Ávila e São Padre Pio, roguem por esta ordem. Roguem por nós 

São Paulo, 31/05/2017 

Irmã Priora Elisangela Salomon