UM TESTAMENTO DOLOROSO

07/07/2020

Artigo sobre Santa Maria Goretti:

UM TESTAMENTO DOLOROSO

Dom Fernando Arêas Rifan*

"Eu sou um velho de quase 80 anos, já próximo de terminar a minha jornada. Olhando para o passado, reconheço que em minha juventude trilhei um caminho falso, o do mal, que me conduziu à perdição".

"Pela imprensa, pelos espetáculos e pelos maus exemplos, vi que a maior parte dos jovens seguiam esse caminho sem pensar. Nem eu me preocupava com isso. Pessoas crentes e praticantes, eu as tinha perto de mim; obcecado, porém, por uma força bruta que me empurrava para o mal caminho, não lhes dava importância".

"Aos 20 anos cometi um crime passional, de que agora tenho horror só ao recordá-lo. Maria Goretti, agora santa, foi o anjo bom que a Providência colocou no meu caminho para me salvar. Ainda tenho impressas em meu coração suas palavras de reprovação e perdão. Rogou por mim, intercedeu por seu assassino".

"Seguiram 30 anos de prisão. Se não fosse menor de idade teriam me condenado à prisão perpétua. Aceitei a sentença merecida e expiei resignado minha culpa. A pequena Maria foi minha luz, minha protetora. Com sua ajuda, comportei-me bem na prisão e tratei de viver honestamente, quando a sociedade me acolheu de novo".

"Os filhos de São Francisco, os Frades Menores Capuchinhos delle Marche, me receberam com caridade seráfica, não como um criado, senão como um irmão, e com eles estou há 24 anos. Agora espero sereno o momento de ser admitido à visão de Deus, de abraçar de novo meus entes queridos, de estar perto de meu anjo protetor e de sua mãe Assunta".

"Eu gostaria que os que lessem esta carta aprendessem a fugir do mal e a fazer sempre o bem. Pensassem desde crianças que a religião, com seus preceitos, não é algo de que se possa prescindir, senão o verdadeiro alento, o único caminho seguro em todas as circunstâncias da vida, até as mais dolorosas. Paz e bem".

Esse foi o testamento espiritual de Alessandro Serenelli, o assassino de Santa Maria Goretti, a santa Inês do século XX, morta barbaramente aos 11 anos de idade, porque preferiu morrer do que ofender a Deus, no dia 6 de julho de 1902, dia em que celebramos a sua memória.

E ele acrescentou: "Peço perdão ao mundo pelo ultraje feito à Mártir Maria Goretti e à pureza. Exorto a todos a se manterem afastados dos espetáculos imorais, dos perigos, das ocasiões que podem conduzir ao pecado" (extraído do livro "O punhal de tantos remorsos", vida de Alessandro Serenelli).

"Santa Maria Goretti pertence para sempre ao exército das virgens e não quis perder, por nenhum preço, a dignidade e a inviolabilidade do seu corpo, templo do Espírito Santo... Ela é um fruto maduro do lar cristão, onde se reza, onde se educam os filhos no temor de Deus e na obediência aos pais. Que o nosso debilitado mundo aprenda a honrar e a imitar a invencível fortaleza desta jovem virgem" (Papa Pio XII).

​​

*Bispo da Administração Apostólica Pessoal

São João Maria Vianney

https://domfernandorifan.blogspot.com.br/